Contactos

Tempo De Cura

  • Pessoa de contato: Jeane Godoy e Janaína Ester
  • Telefone: +55 (19) 8222-29-94
  • +55 (19) 98225-81-85
  • +55 (19) 9769-61-75
  • Endereço postal: Rua D Pedro I - 1729 - Bairro Alto, Piracicaba, São Paulo, 13.419.200, Brasil

Renovações do site
Reforma Íntima, foto 1
  • Reforma Íntima, foto 2
  • Reforma Íntima, foto 3
  • Reforma Íntima, foto 4
  • Reforma Íntima, foto 5
  • Reforma Íntima, foto 6
  • Reforma Íntima, foto 7
  • Reforma Íntima, foto 8
  • Reforma Íntima, foto 9
  • Reforma Íntima, foto 10

Reforma Íntima

Falar é fácil, mas será que realmente praticamos o que falamos? Será que nossas ações refletem nossas palavras? Como queremos que o mundo tenha paz se ...
disponível
R$150
Encomendar
Informação de contato
  • Pessoa de contato: Jeane Godoy e Janaína Ester
  • Telefone: +55 (19) 8222-29-94
  • +55 (19) 98225-81-85
  • +55 (19) 9769-61-75
  • Endereço postal: Rua D Pedro I - 1729 - Bairro Alto, Piracicaba, São Paulo, 13.419.200, Brasil
Descrição detalhada de um produto

NATAL VERDADEIRO

O que significa o natal? Esta festa tinha como objetivo inicial celebrar o nascimento de Cristo, mas, com o passar dos anos e com a sociedade capitalista se consolidando tal sentido foi perdendo lugar para o consumismo. Pois o ato de receber presentes e gastar cada vez mais dinheiro – inclusive aquele que não temos – foi ganhando uma importância sem dimensão.
Todavia, atualmente, apesar do significado que deu origem à festa ainda ser muito importante e o consumismo ainda estar firme e forte, acredito que o real significado do natal é muito maior do que tudo isso, pois este é um período de união, de alegria, de pensar no ano que se passou e desejar um ano melhor, de solidariedade, de evolução, de amor. Tais palavrinhas tão pequeninas são de uma dimensão incrível, mas, infelizmente, são pronunciadas de maneira fútil e, pior, não são praticadas!!! É fácil desejar paz a todos, mas é só aparecer uma pessoa que tem uma ideia diferente da nossa que já saímos discutindo e brigando com ela, é… Falar é fácil, mas será que realmente praticamos o que falamos? Será que nossas ações refletem nossas palavras? Como queremos que o mundo tenha paz se não conseguimos viver dessa forma nem uns com os outros nem com nós mesmos? Essa mudança tem que partir do outro ou de nós? Para pacificar o mundo, comece com seu país, mas este é formado por famílias, então, pacifique primeiro a sua família e, para isso, comece transformando-se!
Nós vivemos cobrando certas atitudes dos outros que às vezes, ou, muitas vezes, NÓS não temos, será que isso é justo? Está certo cobrar algo do outro? Não… Não podemos… Devemos fazer a nossa parte e só, independente do outro! Sei o quanto isso é difícil, até porque, costumamos pensar: ah, se ele não fez, por que é que EU devo fazer? Mas esse pensamento é mesquinho, egoísta, pois o que deve reger as nossas ações é a nossa posição perante o outro (de avó, amigo, pai, irmão) e não o que o outro faz ou deixa de fazer! Imagine, se um ficar esperando o outro se transformar e mudar… Nosso mundo não mudaria jamais, pois ninguém quer começar fazendo a sua parte, é muito cômodo ficar dentro da caverna esperando que os outros façam tudo! Por que eu trocaria minha novelinha do globo para questionar sobre o mundo em que vivo? Sobre a minha vida? Nós não estamos vivendo!! Não estamos agindo… Só estamos reagindo aos estímulos exteriores…
Devemos jogar fora o lixo que está em nossa cabeça dizendo que não somos capazes, que não conseguimos, que somos feias, pois é este que nos distancia do que é importante: o aqui, o agora, esse momento, devemos viver cada momento como se fosse o último! Temos que prestar atenção no que estamos vivendo… E é isso o que as pessoas temem, não é necessariamente a morte, mas sim o fato de morrer sem ter vivido! Perdemos tanto tempo prestando atenção em problemas e situações inúteis e acabamos por ignorar o que há de mais belo e importante na vida. Esse “deixa para lá” ou “depois eu faço” não deveria existir, pois nem sempre há o depois! Acreditem, quando realmente queremos algo, nós “arranjamos” tempo, assim como para o facebook ou o whatsapp. Temos que escolher o que é mais importante para nós!
Por qual motivo encontramos nossos familiares apenas em casamentos, funerais ou fim de ano? Por que não fazer isso antes? Precisamos de uma data especial para isso? Vamos valorizar mais o que é importante! O problema das pessoas atualmente é que quando elas não conseguem o que querem, elas sofrem; mas a vida é feita de escolhas, podemos escolher ser a vítima ou o que quisermos ser. É a nossa jornada que nos faz feliz não nosso destino.
Achamos que podemos tratar mal as pessoas mais próximas de nós e justificamos isso dizendo: “ah, ele me conhece, sabe que não fiz por mal”, entretanto, os seres humanos que mais devemos valorizar são justamente esses que mais maltratamos. E tudo isso machuca! Minha mãe diz que nosso coração é como uma folha de papel, depois de amassada, nunca volta a ser lisinha, por isso devemos pensar mil vezes antes de falar ou de desejar algo! Por que machucar ao outro? O que isso nos trás de beneficio?
É muito importante dizer às pessoas o que estamos sentindo, que as amamos, mas por que não o fazemos? Só damos valor aos mortos? Isso machuca? Desperdiça nosso precioso tempo? Se não, porque não falamos? Por que não dizemos às pessoas o quanto elas são importante para nós? Por que não fazer isso enquanto elas ainda estão vivas? Vamos exercitar pronunciar frases bonitas, praticar gestos pequenos, mas de grande valor, como dar uma rosa, um beijo e falar para as pessoas o quanto elas são importantes para nós. É muito gostoso falar ou ouvir isso. Por que não alegramos o dia das pessoas dizendo palavras bonitas ao invés de machucá-las apenas apontando seus defeitos? Por que maridos e mulheres depois de um tempo quase nem se veem mais? Por que não falar para seu amado que o ama? Está certo que ele já sabe, mas não faz mal reforçar, alias, pelo contrario, faz muito bem! Com apenas um gesto de carinho, podemos transformar o dia de vários! Por que ao invés de ficarmos bravos quando uma pessoa está mal humorada, não tentamos alegrá-la, fazendo um gesto de carinho, de respeito, ou apenas tolerando aquele momento dela?
O que eu almejo e peço para o papai Noel e para Deus é muito mais do que palavras vazias desejando saúde, paz e prosperidade! Eu quero viver em um mundo em que não precisemos trancar a porta de nossa casa, por que não existe ladrão, num mundo onde não haja guerras, corrupção, violência, destruição! Onde eu não tenha medo de sair na rua e ser assaltada, estuprada, morta, ou ter um câncer de pele, por que já não existe camada de ozônio! Não quero mais ter a impressão de que o homem destrói tudo o que toca, somos uma centelha divina, podemos e devemos construir abençoar, iluminar e não destruir!!! Não quero mais ser esmagada pela sociedade capitalista, consumista e individualista. Desejo um lugar onde o coletivo prevalece diante do individuo! Onde as relações humanas sejam valorizadas!
Eu sonho, sonho sim, sonho por que sei que é possível e não vou perder meus sonhos, não vou deixar a sociedade esmagá-los como faz com a maioria dos adolescentes! Aliás, por que será que os adolescentes têm sonhos e os adultos apenas medo? Como diz um poema de Raimundo Correia: “No azul da adolescência as asas soltam, fogem… Mas aos pombais as pombas voltam, E eles (os sonhos) aos corações não voltam mais…”, mas os meus voltam sim e vão ficar comigo! Eu sonho com um mundo melhor, sonho em paz, sonho que meus filhos possam desfrutar de um mundo maravilhoso como o nosso e não dele destruído! Sonho que as pessoas respeitem umas as outras e parem de ser tão egoístas.
Ninguém é perfeito – sendo isto o que nos torna especiais – dessa forma, temos que dar um senso de humor a nossa vida, especialmente sobre nós mesmos, como queremos ser respeitados se não respeitamos? Apesar de não ser fácil, devemos aprender a perdoar (não só a desculpar, pois perdão é algo que vem de dentro), a respeitar, a ceder, por que devemos estar sempre certos? O que isso nos proporciona? Realmente devemos brigar para mostrar que temos razão? Devemos amar, amar e amar… Amar a todos, amar aos nossos inimigos, todos somos irmãos, e se todas as pessoas amassem umas as outras e as respeitassem mesmo com todos os defeitos e diferenças de cor, raça ou culto, não haveria guerra no mundo! Como Mandela disse “ninguém nasce odiando outra pessoa por sua cor, raça ou culto. Se as pessoas podem aprender a odiar, elas podem ser ensinadas amar que vem mais naturalmente do coração humano do que seu oposto”. Também devemos aprender a agradecer, até mesmo a certas ações que aparentemente só nos fizeram mal, pois são elas que nos fazem crescer!
Eu quero e desejo para esse ano de 2015 que as pessoas amem e amem, amem muito e respeitem, tolerem, perdoem, cedam, e digam umas para as outras o quanto elas são importante! É isso que estou tentando praticar, pois não adianta apenas pedir, eu também devo me transformar!

Por Sarah Masetto Rodrigues

Informação para encomenda
  • Preço: R$150
Categoria do catálogo Negociol.com: Meios terapêuticos em São Paulo
Criado: 28/12/14 08:30
Alterado: 28/12/14 08:30